Seguidores

sábado, 22 de maio de 2010

Introdução ao Estudo do Reino III

Neste artigo vamos considerar o sétimo dia e sua relação com o escarton e o período da consumação do reino que é o período da nossa história sobre a terra, como os homens deveriam se portar no desenvolvimento dos mandatos e a extensão da revelação não verbalizada e verbalizada de Deus.
O Senhor criou tudo que há em seis dias e no sétimo descansou. Há algo importante no sétimo dia? Ele é igual aos outros dias? Por que o Senhor abençoou e santificou o sétimo dia? Os outros não eram santos e santificados?
É necessário entendermos a compreensão da relação entre trabalho e descanso?
As Escrituras dizem: “Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem teu o eu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o seu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou.” (Ex 20.8-11)
Quando o Senhor deu este mandamento será que ele era desconhecido por parte dos judeus?
Não!
No próprio livro de Êxodo, o Texto Sagrado nos informa “Seis dias o colhereis, mas o sétimo dia é o sábado; nele, não haverá. Ao sétimo dia, saíram alguns do povo para o colher, porém não o acharam. Então, disse o Senhora Moisés: Até quando recusareis guardar os meus mandamentos e as minhas leis? Considerai que Senhor vos deu o sábado; por isso, ele, nos sexto dia, vos dá pão para dois dias; cada um fique onde estás, ninguém saia do seu lugar no sétimo dia” (Ex 16. 26-29)
O contexto desta passagem é a colheita de maná.
Qual a razão de Deus fazer tanta questão por este dia?
Será que quando Ele descansou é porque estava de fato cansado?
Não! A narrativa do Gênesis mostra-nos algo a mais. Deus nos ensina que devemos parar, devemos dar descanso tanto ao nosso corpo quanto às demais criaturas de Deus que nos servem e também a terra.
O descanso está relacionado ao mandato cultural. Quando Deus criou o homem, deu-lhe a seguinte ordem: “Tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Édem para o cultivar e o guardar.” (Gn 2.16)
Este trabalho não seria continuo. Deus deu descanso para o homem. A própria terra também teria que descansar “Porém, no sétimo ano, haverá sábado de descanso solene para a terra, um sábado ao Senhor; não semearás o teu campo, nem poderás a tua vinha” (Lv. 25.4)
Hans Walter Wolff diz o seguinte:
O tempo do ser humano é, acima de tudo, uma dádiva. Seu trabalho se torna inútil e sem sentido, se ele esquece isso. Embora a sabedoria veterotestamentária exorte claramente a deixar a preguiça, ela previne com mais rigor ainda contra o equívoco de pensar que o ser humano seria obsequiado apenas por suas obras
Quando o Senhor pôs o homem no jardim, não o colocou para que fosse um desocupado, e muito menos que ele fosse um louco estressado, que não teria tempo para nada mais, além de trabalhar e trabalhar.
Aqui reside a graça do equilíbrio: trabalhar, mais também, poder descansar.
Não adiantaria muita coisa se o homem quisesse descansar e não tivesse como. Deus providencia um dia para que ele parasse, e dar-Se como exemplo, Ele, o próprio Deus, que não se cansa, para. Mostrando assim ao homem o que ele deveria fazer. E como vimos, não só a ele, mas a toda a criação.
A compreensão correta da relação trabalho e descanso só se dar quando temos a percepção da finalidade de cada um.
Qual a finalidade do mandato cultural?
O mandato cultural é representado pelo comércio, artes, trabalho, tecnologia, escola, etc.
Sua finalidade é o desenvolvimento, a exploração da terra. Mas, exploração consciente, e a isto, o próprio texto de Gn 2.15 limita. A expressão: e para ela “ele” governar). Tem um profundo significado, segundo o DIT a raiz básica é a de “exercer grande poder sobre” o DIT também fala de um desdobramento, que para o nosso texto, tem uma aplicação mais especifica, “tomar conta de , guardar. Isso envolve manter, ou cuidar de coisas, tais como um jardim” .

SABADO
Com isto em mente, começamos a compreender a importância do dia de descanso, a idéia contida na ordem do Senhor em Gn 2. 3 dar-se como exemplo ao homem.
A primeira parte do texto sagrado, de Gn 2.3 diz: E abençou o dia de sabado e santificou (o) visto que nele descansou).
Observe que a atitude de Deus de abençoar, separar, consagrar o dia sétimo está relacionada ao fato de ter Deus descansado. Os outros dias são abençoados? É lógico que sim! Mas o sétimo dia assume caráter diferencial. Existe uma teologia do sábado? Uma teologia do descanso?
O Senhor criou todas as coisas nos outros dias, e sua qualificação para os outros dias foi: que isto era bom. Mas, só santificou o sétimo dia. Qual a razão disto? A razão disto é que o sábado é um convite para que toda a criação se alegre em tudo que Deus fez, descansando, desfrutando e adorando o Criador. Com isto, não se quer dizer que nos outros dias o homem não deve adorar a Deus, o homem nos outros dias deve executa as tarefas próprias do mandato cultural, não deixando de se lembrar do espiritual e do social. Mas, no sábado, o homem deve parar, deve perceber que tudo girar em torno do Criador, Deus o convida ao deleite, ao descanso.
Wolff, afirma o seguinte sobre a questão do descanso
Aí temos o termo que dá seu nome ao dia do repouso no Antigo Testamento: tb;v'= parar o trabalho, cessar a atividade. De acordo com isso, deve-se passar o sábado em descanso do trabalho.
O decálogo faz menção do dia de descanso, e baseia-se na criação. Interessante observarmos aqui o caráter de continuidade, de progressividade da revelação e de sua organicidade. Em Deuteronômio 5. 15 nos é dado o seguinte motivo para a guarda do dia de descanso: Porque te lembrarás que foste servo no Egito e que o Senhor, teu Deus, te tirou dali com mão poderosa e braço estendido; pelo que o Senhor, teu Deus, te ordenou que guardasse o dia de sábado. Mudou o motivo? Ou a idéia de descanso, também envolve a idéia de libertação?
Cremos que a idéia do descanso também envolve a idéia de libertação, este conceito é bem patente numa teologia bíblica libertária. O povo devia guardar o dia de descanso, pois como eles foram escravos no Egito e eram explorados... Deveriam guardar o dia do descanso como memorial libertário do Senhor.
O Senhor não criou nenhuma criatura para a exploração, para o cativeiro, e sim para a libertação. O texto de Romanos 8. 20-21 fala da esperança da libertação da criação. O sábado aponta para algo maior. Aponta para a libertação. Destarte, os cristãos primitivos compreenderam bem este caráter libertário do sábado, quando perceberam que o seu dia de descanso, seria o primeiro dia da semana, pois lembrava a libertação promovida pelo Senhor Jesus.
O DIT faz o seguinte comentário:
Parece que os cristãos estavam certos ao associar o dia de descanso com a lembrança da ressurreição de Cristo. É ele quem dá liberdade. Na verdade, nessa questão não há nenhum conflito real entre Deuteronômio e Êxodo. Enquanto Deuteronômio tem em vista o povo da aliança, os versículos de Êxodo dão ênfase ao Deus da aliança
O sábado assume um caráter humanitário em relação às criaturas, que neste tempo sofrem as conseqüências dos pecados do vice regentes da criação. Neste caráter humanitário os animais param de trabalhar, param de servir ao homem, que muitas vezes pagam o trabalho dos animais com maus tratos. Seis dias farás a tua obra, mas, ao sétimo dia, descansarás; para que descanse o teu boi e o teu jumento Ex 23.12 (parte a do verso).
O sábado possui também um caráter escatológico na Pessoa Bendita do Senhor Jesus, Ele é o nosso sábado, Ele é o nosso descanso, Ele é a certeza de que tudo será diferente. Neste sentido vemos a ligação intima de Apocalipse 22 com Gênesis 1-2. É a volta ao Parque das Delicias, é o gozo completo, sem exploração, sem violência, sem choro, sem Mamom e seus súditos. A nossa expectativa e da criação é ver os aspectos do Reinado de Deus manifestos na terra. Haveremos de ver uma terra restaurada com videiras, animais em perfeita harmonia. Isto é a idéia de descanso que as Escrituras nos ensinam. É de fato, a Terra Prometida, desejado por todos os santos do Antigo quanto do Novo Testamento.
Para entendermos o período da consumação e como os homens deveriam se portar durante este tempo, vamos fazer o seguinte esquema:
6 dias da criação: O Senhor cria o cosmos. O Cosmos é a sua revelação não verbalizada
Sétimo dia: Dia que aponta para o escaton. Van Gruningem diz o seguinte:
O dia deveria trazer uma grande perspectiva para o futuro. Deveria ser um tempo de receber benefícios para a vida física, moral e espiritualmente, semana a semana. O dia era para dar a segurança de ser um precursor para o dia sem fim da conclusão, o dia da consumação do cosmos. Portanto, no termo abençoado, conforme aplicado ao sétimo dia nos foi dado à grande perspectiva escatológica e a certeza de que o escaton se realizará assim como sétimo dia
O Período que vai desde o termino da criação até o último dia da nossa história é o período da consumação do cosmos: Neste período o homem deveria usar todo seu potencial para desenvolver seus mandatos. Van Grinungem sobre este período diz o seguinte:
Deus deu a Adão e Eva e a seus descendentes, o mandato de serem frutíferos de cultivar e ter domínio sobre todo o cosmos criado. Esse mandato dá a entender que a vida no reino cósmico não era para ser estática ou congelada em formas sólidas. A humanidade devia envolver-se na descoberta, na revelação e no desenvolvimento das potencialidades e substâncias, forças e leis que Deus embutiu em seu reino cósmico. Foi determinado a humanidade ser culturalmente ativa e produtiva. Fo determinada à humanidade torna-se construtora da história
A queda trouxe toda uma conseqüência ao Reino de Deus. Entretanto, o dever do homem de cumprir os mandatos ainda permanece.
Teríamos então o seguinte gráfico:
Criação foi feita em 6 dias
Sétimo dia: Aponta para o escaton que é a Restauração do Cosmos
Período Atual: Queda+Desdobramento da Aliança da Redenção Os mandatos culturais e sociais continuam se desenvolvendo, apesar do pecado. Deus chama seus eleitos que são aptos para cumprir o mandato espiritual.
Último dia: Manifestação do Senhor para restabelecimento total do cosmos, ou seja, começo do escaton

EXTENSÃO DA REVELAÇÃO CÓSMICA
Qual a extensão da revelação de Deus?
Será que o cosmos revela quem Deus é?
As Escrituras dizem que sim!
Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. 2 Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. 3 Não há linguagem, nem há palavras, e deles não se ouve nenhum som; 4 no entanto, por toda a terra se faz ouvir a sua voz, e as suas palavras, até aos confins do mundo. Aí, pôs uma tenda para o sol. Sl 19. 1-4
Existem dois tipos de revelação de Deus: A não verbalizada e a verbalizada
Por revelação não verbalizada compreendemos: todo o cosmos, todas as substâncias visíveis e invisíveis, todos os seus modelos de leis, todas as suas potencialidades. Desde a menor divisão do átomo até ao mais complexo organismo vivo, tudo revela Deus. Existe uma Inteligência infinita por trás de todas as coisas. O cosmos traz a assinatura de Deus. É irracional atribuir toda a complexidade das coisas ao acaso. Isto é absurdo por si só, sendo uma completa contra indicação ao bom senso.
Deus através do ser humano se revela, o homem carrega a imagem de Deus dentro de si. A ele foi dado o domínio, foi dado à potencialidade e capacidade para desenvolver o cosmos, criando e desenvolvendo coisas a partir de substâncias pré-existentes na natureza. Ao homem é garantido que: obedecendo as leis que residem na natureza, teria êxito em suas pesquisas. Quem garante esta possibilidade de êxito? Se não o Criador Inteligente de todas as coisas? Quem dá inteligência para que o homem possa dominar os elementos, forças e potencialidades contidas na natureza? Se não o Senhor!
A revelação de Deus se manifesta dentro do próprio homem através de conceitos de justiça, moralidade que o mesmo possui. Deus como Soberano do Reino controla de forma exaustiva tudo que acontece. De sorte, que quando o homem faz algo, só faz por que o Senhor Soberano assim o quis. Quer sejam atos bons ou maus.
O Senhor quando criou o homem, criou também um jardim, um palácio real. E pôs o homem lá. Deus se agrada em manter relacionamento com sua criação. E este relacionamento é manifesto de forma verbalizada através da revelação que Deus fez de Si mesmo para este homem. Por revelação verbalizada compreendemos: As Escrituras. Van Gruningem diz o seguinte sobre a revelação verbalizada
As Escrituras são uma comunicação da revelação de Deus a nós na linguagem humana e esta, portanto, é uma revelação mais direta e superior àquela que Deus nos comunica por meio da criação muda
Esta revelação verbalizada tem alguns propósitos: Manifestar a natureza de Deus e seus atributos; Restaurar o ser humano a capacidade de obedecer aos três mandatos da aliança da criação. Produzir no homem regenerado o senso real de ser portador da imagem de Deus. Produzir no homem senso de responsabilidade com o cosmos.
Continua...

WOLFF, Hans Walter. Antropologia do Antigo Testamento. São Paulo-SP: HAGNOS, 2008. p. 209
HARRIS, Laird R. JR, Gleason L. Archer. WALTKE, Bruce K. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. São Paulo-SP: VIDA NOVA, 2005p. 1587
Id. Ibid., p. 1588
Id. Ibid.,p. 212
Id. Ibid.,p. 1522
GRONINGEN, Gerard Van. Criação e Consumação Vol. I. São Paulo-SP: Cultura Cristã, 2006 p 58
Id. Ibid. p. 64
Id. Ibid. p. 67

Rev. Jaziel C. Cunha
Congregação Presbiteriana Conservadora em Paulista

Um comentário:

Rev. Adalbéron Garrett IPB - Recife - PE. disse...

Rev. Adalbéron Garrett IPB - Recife - PE.7 de maio de 2015 02:29
Rev. Adalbéron Garrett IPB - Recife - PE.7 de maio de 2015 02:26
Igréja Presbitariana do Brasil em Pina - Recife, PE. Pastor Adalbéron Garrett. Ismenia Garrett.
Guru-manipulaçao. Negoçios safados et perigosos. Multi-fraudes fiscal. Furto. Roubar do IPTU, impostos et taxas. Lavagem da dinheiro suja. Sempre em contacto con os grupos da exterminaçao. Bem-vindo a quadrilia-seita-familia do "Pastor". Adalbéron Garrett, Ismenia Alice Garrett Rios, Julia Garrett et O Advogada Dr. Sandra Maria Garrett Rios OAB/PE12636 do Recife, Pernambuco, Brasil. Tradiçaos criminais.

domingo, 3 de maio de 2015
Pastor Adalbéron Garrett - Vc pode ver aqui os 4 segredos da familia da Ismenia Alice Garrett Rios, Pastor Adalbéron Garrett IPB do Recife PE. et Julia Garrett 1-2-3-4 Ismenia Alice Garrett Rios 1 Ismenia Alice Garrett Rios 2 Ismenia Alice Garrett Rios 3 Ismenia Alice Garrett Rios 4 Rev. Adalbéron Garrett - Igréja Presbitariana do Brasil - Recife, PE. Ismenia Alice Garrett Rios. Pastor Adalbéron Garrett, Normélia Maria Furtado Garrett - Tel: 55 (081) 3465-1513. Enderesso: Ave. Cons. Aguiar, 497. Cep: 51011-031 Recife, Pernambuco. Rev. Adalbéron Garrett - Pastor Auto-proclamado. GURU-BANDIDO. FURTO. Praticante da magia negra em segredo. Normélia Maria Furtado Garrett - GURU-BANDIDA. Furto. Praticante da magia negra em segredo. O Advogada Sandra Maria Garrett Rios Siqueira OAB/PE012636 = BANDIDA - LADRAO. Ismenia Alice Garrett Rios = LADRAO. O Guru Adalbéron Garrett et esposa Normélia. Pastor Adalbéron Garrett - Normélia Maria Furtado Garrett (Igréja Presbitariana do Brasil em Recife, Pernambuco, Brasil) Ladraos - Guru-Bandidos. Tel: 55 (081) 3465-1513. Enderesso: Ave. Cons. Aguiar, 497. Cep: 51011-031 Recife, Pernambuco. Ismenia Alice Garrett Rios - Sandra Maria Garrett Rios PASTOR ADALBERON GARRETT - PASTOR AUTO-PROCLAMADO DO IGREJA PRESBITARIANA DO BRASIL EM RECIFE, PERNAMBUCO. GURU-LADRAO, PSICOPATO, MANIPULADORO, ALCOOLATRA, TOXICOMANO, GURU-BANDIDO, MAFIOSI. PRATICANTE DA MAGIA NEGRA EM SEGREDO CON ESPOSA (NORMELIA MARIA FURTADO GARRETT) ET TODO FAMILIA D'ELI TAM BEM, FURTO. A Igreja Presbiteriana do Brasil tem recebido, ao longo das celebrações pelos seus 150 anos de vida, homenagens de diversas partes do país. Confira algumas dessas iniciativas. Pernambuco A Câmara Municipal dos Vereadores de Jaboatão dos Guararapes (PE), por iniciativa de um de seus componentes, ver. Edmilson Monteiro (pastor da Igreja Batista), e também dos pastores presbiterianos do Presbitério Metropolitano de Recife, realizou uma sessão especial e concedeu a Medalha Vital de Negreiros a IPB. O Pastor Adalberon Garrett (Pastor auto-proclamado, Bandido, ladrao, mitomano, manipuladoro, alcoolatra, toxicomano, psicopato, mafiosi) também será homenageado por seus 20 anos (de robar gentes pobres, furto) de ministério e dedicação ao Projeto Transformação, bem como o presb. Josebias Pereira dos Santos, de 81 anos, por seus 66 anos de presbiterato na IPB. Esse evento foi realizado no dia 7 de agosto, as 18h30, na IP em Candeias. O pregador convidado é o rev. Cilas Cunha Menezes, vice-presidente do Supremo Concílio da IPB. Informações: Rev. Waldir Benevides (081) 88257376 - 97293960 - 30613578 – 30615080 Guru-manipulaçao. Negoçios safados et perigosos. Multi-fraude fiscal. Furto. Roubar do IPTU, impostos et taxas. Lavagem da dinheiro suja. Sempre em contacto con os grupos da exterminaçao. Bem-vindo a quadrilia-seita-familia do "Pastor". Adalbéron Garrett, Ismenia Alice Garrett Rios, Julia Garrett et O Advogada Dr. Sandra Maria Garrett Rios OAB/PE12636 do Recife, Pernambuco, Brasil. Tradiçaos criminais. NORMELIA MARIA FURTADO GARRETT ET FAMILIA. $$$$$$$$$$ A Irmã de Adalbéron Garrett: Senorita Ismenia Alice Garrett Rios (Recife-Pernambuco). O marido d'ele foi ume alcoolatro ladrao - Sr.Pedro Rios. O pai da Ismenia Alice Garrett Rios et Adalbéron Garrett foi ume criminal communista qui roubo muinto dinheiro de gentes honestos et pobres.