Loading...
Loading...

Seguidores

quinta-feira, 12 de março de 2009

Sermão em 1 Pedro 2. 1-3

Introdução: Alguns botânicos exploravam certas regiões montanhosas à procura de novas espécies quando, através de binóculos, avistaram uma flor desconhecida encravada numa estreitíssima fresta de uma encosta muito inclinada.
Somente seria possível pegá-la se uma pessoa pequena e leve concordasse em ser baixada por meio de uma corda. E eles pediram a um menino que estava na expedição que aceitasse a tarefa.
O pequeno olhou para o fundo do abismo, deu meia-volta, saiu em direção ao acampamento e disse-lhes que voltaria num instante.
Algum tempo depois ele voltou trazendo o pai pelas mãos e explicou suas condições:- Eu descerei para pegar a flor, se o meu pai segurar a corda.

Elucidação: Pedro escreveu esta carta de Roma a quem ele chama de Babilônia (5.13) Pedro se dirige aos cristãos que vivem em várias partes da Ásia Menor, os quais estão sofrendo rejeição no mundo devido à sua obediência a Cristo (4.1-4, 12-16). Ele, portanto, relembra-os de que têm uma herança celeste (1.3-5)Pedro soube das tentações deles e, portanto, refere-se a eles como “estrangeiros dispersos” (1.1), uma frase que lembra o exílio de Israel no AT, mas também apropriada para estes cristãos (1.17; 2.11). Eles são, em sua maioria gentios convertidos. Em um momento eles não eram povo (2.10). Sua antiga vida era de obscenidades, bebedeira e idolatria (4.3), que descrevia mais os pagãos gentios do que os judeus do Séc. I . Os compatriotas deles estão surpresos por eles agora viverem de maneira diferente (4.4). Embora sofrer seja a “ardente prova” (4.12), aparentemente não há a vinculação do martírio. Além do mais, a perseguição é normalmente a exceção (3.13,14; 4.16).A tradição antiga sugere que Pedro foi martirizado em Roma junto com a severa perseguição de Nero aos cristãos depois do incêndio de Roma em 64 dC. Esta carta foi escrita provavelmente perto do fim da vida de Pedro, mas enquanto ele ainda poderia dizer: “honrai ao rei” (2.17). O início dos anos 60 é uma boa estimativa para a composição de 1 Pedro.
ConteúdoAcompanhando as várias exortações para a vida fiel em meio a uma sociedade ímpia, a salvação prometida no evangelho também está bastante em vista. A salvação futura que aguarda os crentes na revelação de Jesus é especialmente proeminente no princípio da carta (1.3-13). Esta é a “esperança” do cristão mencionada em 1.3, 13, 21; 3.15. Mesmo tendo Cristo sofrido e depois sido glorificado, os cristãos deveriam antever a glória porvir, embora pudessem ser perseguidos pela fé nessa vida (1.6-7; 4.12-13). A paciência em meio ao sofrimento injusto é “agradável a Deus” (2.20).Também há um referência ao importante objetivo dos crentes de levar os outros a Deus por meio de seus estilos de vida piedosos. Eles, portanto, proclamam os louvores de Deus (2.9), silenciam os homens loucos realizando boas obras (2.15); ganham esposas para Cristo por seus exemplos (3.1); envergonham os críticos ímpios (3.15-16) e confundem antigos companheiros (4.4). Os cristãos devem ser uma força de redenção no mundo, apesar do sofrimento. Baseado nisto que acabamos de considerar, iremos meditar esta noite, sobre o seguinte tema:

Tema: O que o Senhor quer de você?

1- Divisão: Que Você lance fora o pecado (verso1)
O nosso verso começa com um verbo Apoqe,menoi que está no particípio mais que tem sentido de imperativo, estando também no aoristo, o que indica algumas coisas:
1 É uma ordem
2 Esta ordem é algo que é obedecida, de uma vez só.
A ideia é: Tendo posto fora, tendo despojado, tendo lançado fora. É a ideia, de que você como crente, não deva ter mais estas coisas. Nos versos anteriores do capitulo primeiro nos é dito: Tendo purificado a vossa alma, pela vossa obediência à verdade, tendo em vista ao amor fraternal não fingido, amai-vos, de coração uns aos outros ardentemente, pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente. Pois toda carne é como a erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; seca-se a erva, e c aia flor; a palavra do Senhor, porém, permanece eternamente. Ora, esta é a palavra que vos evangelizada 1 Pedro. 1. 22-25. Ora, se a Palavra do Senhor permanece eternamente em nós e se nossas almas são purificadas, pela obediência a verdade, o lançar fora é algo que deve ser feito de forma definitiva.
O texto agora vai dizer do que você deve despojar-se. Aqui no grego existe uma conjunção hiperordenativa ou=n e a ideia é de algo importante que vai vir. O que seria isto? É a lista de coisas que o crente não deve ter mais:
a- De toda maldade. A palavra para maldade é kaki,an significa maldade, depravação, impiedade, vício
b- Dolo. A palavra é do,lon significa engano. Vem de um verbo que significa enganar com uma armadilha, tem também o sentido de fraude
c- Hipocrisias. A palavra é u`po,kriseij têm por significado: fingimentos, pretensão.
d- Invejas. A palavra é fqo,nouj a ideia é de expressar o sentimento que faz um homem invejar outro, por causa de uma coisa, que ele mesmo deseja e não possui, Veja que este tipo de pecado está relacionado com o décimo mandamento
e- Toda sorte de maledicências: pa,saj katalalia,j a ideia de maledicência é: falar mal de alguém, caluniar. O verbo significa rebaixar, desacreditar.
Por estas definições, vemos o que um cristão verdadeiro, não deve ter mais em sua vida, é incompatível com a vida cristã tais coisas, por isso, que o nosso verso começa com a expressão tendo posto fora, despojando-vos. O verso 17 de 2 Coríntios diz o seguinte: Por isso, retira-vos do meio dele, separai-vos, diz o Senhor, não toqueis em coisas impuras; e eu vos receberei... O cristianismo é uma religião ética, Deus estabeleceu uma conduta para seus filhos e ser filho de Deus é ter esta conduta, esta norma de vida nos corações, é ver estes pecados, como algo que ficou no passado. É estranho quando alguém que se diz crente cultiva pecados em sua vida. Pois tendências pecaminosas fazem parte de um coração não regenerado. Crente que é invejoso, maledicente, enganador, hipócrita, Tal sujeito, precisa se questionar se de fato é crente.
Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus.
Mateus 7: Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.
Mateus 7: Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.
Mateus 7: Portanto, pelos seus frutos os conhecereis. Mateus 7. 17-20

2- Divisão: Que você deseje o crescimento espiritual (verso2)
O verso no grego começa com uma conjunção subordinativa que é usada para introduzir orações dependentes. A nossa tradução traz a frase na seguinte ordem: Desejai ardentemente, como crianças recém nascidas... A ideia do verso no grego é: como nascidos agora, nenês, racional sem dolo, leite anelai (desejai)... Pedro usa uma comparação: Da mesma sorte que um bebê deseja o leite quando nasce, assim também devemos desejar o leite, não o material, mas sim o espiritual.
A palavra para desejar, anelar é o verbo evpipoqh,sate este verbo está no imperativo aoristo ativo, é uma ordem, é um sentimento que brota no coração do crente como algo já definido, algo já completo, este desejo não é algo que deve vir de pouquinho em pouquinho, é algo brotar de uma só vez, é uma ordem que deve ser cumprida de forma absoluta, e esta ordem é para desejar, anelar. O que devo anelar? Pedro diz: to. logiko.n a;dolon A palavra logiko.n aquilo que pertence a palavra, Pedro se refere a Palavra de Deus. E esta palavra é a;dolon sem engano, pura, não adulterada, não contaminada. É interessante observar a relação entre o verdadeiro leite e o crescimento. No nosso verso, existe uma conjunção subordinativa i[na que como já foi dito é utilizada para indicar orações dependentes, e o que vem depois desta conjunção é o seguinte: Em ele (na palavra sem dolo) no leite sejais crescidos. Já que o verbo auvxhqh/te está no subjuntivo e segundo a gramática grega é o modo de probabilidade. Então a ideia é: Sejais crescidos para a salvação.
O real crescimento não se dar na mentira, como um crente pode se desenvolver espiritualmente, se seu leite for falsificado? O que vemos hoje é um tipo de leite muito ruim sendo dado as ovelhas, um leite que chega a ser mais que falsificado, é um leite totalmente estranho, que de leite não tem nada. Fico me perguntando, como é que estas ovelhas podem crescer de forma sadia? E a resposta é bem desanimadora, elas não cresçam, ficam atrofiadas pelas heresias, por concepções erradas, pelo misticismo, pelo engano daqueles que só querem engordar a custa da gordura da ovelha.
Irmãos, que o desejo de tomar o leite genuíno, esteja nos nossos corações, de forma ardente, igual ao uma criança quando chega a hora de mamar, que nós suguemos as riquezas da Palavra de Deus para nosso crescimento espiritual.

3- Que você tenha experiências na bondade do Senhor (verso 3)
O nosso verso começa com uma conjunção subordinativa eiv e como já vimos esta conjunção é utilizada para introduzir orações dependentes. Qual é a oração que virá? evgeu,sasqe o[ti crhsto.j o` ku,rioj “haveis provado que benigno é o Senhor”
O texto não está lançando duvida, e sim afirmando. O verbo evgeu,sasqe está no indicativo aoristo médio depoente. Eles provaram, experimentaram. O que? Que Benigno é o Senhor. O adjetivo crhsto.j que é benigno está no nominativo e toda vez que um substantivo ou adjetivo está declinado assim, caso seja substantivo identifica o sujeito de uma frase se for adjetivo descreve a qualidade deste sujeito. O que o texto está dizendo que a qualidade de Deus é: Benignidade. E em cima disto, os crentes devem descansar. Irmãos, o texto nos revela o que Deus é, Ele é útil, bom e gracioso. O dicionário define benigno como: bondoso; benévolo; complacente; indulgente; não perigoso.
Quando o Senhor nos tirou das trevas para a luz, nos tirou porque Ele é benigno. Éramos seus inimigos, reprovávamos suas obras, odiávamos a sua lei. Romanos 5. 6-8 diz:
Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.
Romanos 5: Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer.
Romanos 5: Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.
O que podemos dar a Ele? Porque ele nos amou?
Não podemos dar nada a Ele, até porque, tudo o que temos é Dele.
Ele não nos amou por alguma coisa que Lhe impressionou em nós.
Ele é benigno e mostrou esta benignidade em nos eleger, nos predestinar para sermos irmãos de Jesus, nos regenerar, nos justificar, nos adotar, e de glorificar-nos um dia.

Aplicação:
1- Porque estamos ainda na carne, pecamos. Se dissermos o contrário, estamos mentindo. E isto é um fato. Mas, viver na prática do pecado, tendo atitudes erradas constantemente todo santo dia, é outra totalmente diferente, o nosso mau procedimento, nossa cegueira das coisas de Deus, foram lançados fora. Por isso, o novo caráter que o crente tem em Cristo Jesus deve ser manifesto em obras da luz, e não em: Maldade, dolo, hipocrisia, inveja, maledicência (falar mal do outro)
2- Ame a Palavra de Deus, Ela é sua comida, Ela é seu sustento, Nem só de pão vive o homem, Mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus. Esta Palavra é que te sustenta. Procura esta palavra como um recém nascido procura o leite da mãe quando está com fome. Anseia em conhecer a Luz e as suas obras, procura crescer na graça e no conhecimento.
3- Temos experimentado a bondade do Senhor, a nossa igreja é fruto deste amor de Deus, O Senhor permite que o adoremos de forma simples. Deus nos tem dado luz, nos libertou do pecado, muitos aqui foram libertos do misticismo do pentecostalismo, do erro do arminianismo. Quantos Deus tem trazido para a bendita religião reformada, quantos hoje crêem que salvação não se perde, quantos tem convicção que seus pecados são perdoados em Cristo Jesus. Deus mostra que é benigno com seus eleitos.

Conclusão: Estão lembrados da história do menino que só ia buscar a flor, caso o pai segurasse a corda?
Deus que é benigno para conosco, que nos tirou das trevas, que nos regenerou, Ele quer que tenhamos vida correta e santa, Ele sabe que iremos passamos por tribulações nos nossos dias, Mas Ele está segurando a corda, e Ele nunca nos desamparará, Por que Ele é fiel, o seu caráter é benigno. E sua vontade para conosco: É que também sejamos benignos.
A Ele toda glória!

Jaziel C. Cunha
Igreja Presbiteriana Conservadora em Pualista (Grande Recife)

Nenhum comentário: